Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Empresário, aprender e se adaptar são aspectos que fazem parte da sua vida?

A importância do novo e do conhecimento traz ferramentas que levam à realização profissional, um dos componentes da felicidade.

Num passado bem remoto, duas assertivas eram vistas como verdades imutáveis: uma carreira era para toda a vida, preferencialmente numa única empresa, e que após os 50 anos era impossível qualquer mudança de rumo profissional pois a “aposentadoria” era algo certeiro.

Que alívio que hoje não é mais assim!

Apesar de hoje vivermos numa constante inconstância, que traz liberdade com muita responsabilidade – o que incentiva talentos a buscarem melhoria via mudanças e aprendizado constante – ainda há muita, mas muita gente mesmo que considera estar velha demais (aos 25 anos pensa se vale a pena estudar Medicina, ou aos 40 empreender) e que não terá mais tempo para fazer uma transição de carreira, arriscar novos horizontes ou mesmo montar seu próprio negócio.

O que bloqueia estas pessoas, além da natural condição humana de valorização da rotina conhecida, é o medo do fracasso, do insucesso e sobretudo da crítica dos pares, aqueles que rodeiam a cada um e tem sua opinião como importante.

Não é tanto o fato de não conseguir, mas ter de lidar com eventuais rejeições já que todos amam os vitoriosos, mas não perdoam os fracassados.

Mudar é algo inerente ao humano.

Mudamos todos os dias, já que nossas células renovam constantemente e, de acordo com os estudos mais modernos da Biologia Humana, somos seres renovados a cada onze meses; entretanto, como paradoxo, quanto mais o tempo passa menos se quer mudar uma rotina estabelecida mesmo se cause descontentamento – e deveria ser o oposto já que a experiência dos anos traria mais segurança para lidar com adversidades eventuais.

Apesar de todos estes obstáculos, as mudanças acontecem como foi visto há dois anos com a paralisação das atividades em escala mundial por uma pandemia – e sim, muita gente teve de se reinventar, a grande maioria com sucesso.

Será que precisa haver um evento externo para uma mudança de rota?

Uma coisa pouco comum no cotidiano profissional é a análise da rota individual: onde se quer chegar e de que forma. Isso explica o volume expressivo de pessoas que se queixam de seus trabalhos quando, às sextas-feiras, celebram como um bálsamo o fim da tarde, o fim do expediente, como sendo o dia da alforria; mas essas pessoas foram obrigadas a serem empregadas das empresas onde trabalham (ou que criaram e lá laboram).

Elas poderiam buscar algo melhor, algo simples porém nem tão fácil. O elemento que complica esta operação traz a resistência ao novo somada a outro aspecto negligenciado: a necessidade de constante atualização. Traduzindo melhor: estudo, aprendizado contínuo para uma melhoria contínua.

Já estamos na segunda década do novo milênio, e pensar em deitar no berço esplêndido do conhecimento adquirido daquela faculdade de vinte anos atrás, ou do curso de especialização da década passada (por vezes com a justificativa pífia que “estudar custa caro” esquecendo da variedade de cursos gratuitos e com baixo investimento) parece algo tão retrógrado quanto a revelação de um filme fotográfico: nada necessário no ambiente atual.

E qual empresa ou executivo quer algo desnecessário para fazer negócios? Creio que nem a própria pessoa desatualizada busca ter parceiros comerciais que ainda sonham com o passado se queixando da modernidade que o futuro – o hoje – representa.

Não importa como está o emprego hoje, todo profissional consciente de sua carreira precisa mudar, reinventar sua caminhada mesmo que não deseje sair do trabalho onde está, ou do negócio que criou e vai fluindo bem.

A máxima “time que está ganhando não se mexe” cabe pouco num ambiente cada vez mais desafiador e que instiga tantas oportunidades a quem tiver atenção e um pouco de coragem (ou seria humildade?) para aprender, jogar o orgulho no lixo e dar de ombros a críticas pois terá pela frente um oceano de oportunidades por estar aberto ao novo e ao que precisa ser mudado. Se mudamos nosso corpo, se o universo se expande constantemente, não cabe viver numa estática.

O rumo, a rota da carreira precisa singrar mares de satisfação, realização e propósito que pedem, não um barco forte, mas firmeza para mudar e aprender constantemente.

Mudar é preciso, aprender é preciso, pois a realização precisa vir de algo maior: a melhoria contínua, o progresso que é feito por cada um – numa viagem na qual o melhor não está no fim, mas no processo, na trajetória, na caminhada – até porque a vida é isso, uma viagem infinita permeada por desafios que fazem a felicidade.

Fonte: Contábeis

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Se você precisa de serviço relacionado ao artigo ou necessita de maiores informações sobre o assunto, conte conosco, da Plaecon Contabilidade.

Procuramos levar ao máximo tranquilidade aos nossos clientes, fornecendo um atendimento diferenciado e adequado para cada segmento de sua empresa. Temos total expertise na prestação de serviços nas áreas:

  • Fiscal;
  • Pessoal;
  • Contábil;
  • Tributária;
  • Legal.

Entre em contato conosco utilizando as informações disponibilizadas em nosso website, caso você prefira, você pode utilizar qualquer uma de nossas ferramentas de chat, elas ficam localizadas nos cantos inferiores do site.

Sendo assim, basta nos chamar! Esperamos por você!

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post post

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Não fique de fora da nossa Newsletter

Cadastre-se e receba semanalmente os conteúdos que preparamos especialmente para você

Recomendado só para você
Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do…
Cresta Posts Box by CP